Paraíba receberá R$ 1 bilhão para casa própria até o final deste ano

A Caixa Econômica Federal na Paraíba espera fechar o ano de 2010 com até R$ 1 bilhão em financiamentos habitacionais, com crescimento de 100% sobre os R$ 499 milhões do ano passado. De acordo com o gerente regional de habitação da instituição, João Alves, o Programa Minha Casa, Minha Vida e os imóveis de até R$ 130 mil devem puxar a demanda por contratação.

Segundo João Alves, a projeção de R$ 1 bilhão é em um cenário positivo para o setor na Paraíba. “Na pior das hipóteses, estimamos R$ 800 milhões em financiamentos habitacionais, mas como a força do programa Minha Casa, Minha Vida será neste ano, principalmente por causa da aceleração dos projetos, nossa aposta é alta”.

O principal programa habitacional do governo federal deve ser responsável por, no mínimo, 50% dos valores a serem contratados. O primeiro quadrimestre do ano deve ser fechado com a contratação de R$ 270 milhões em 6,2 mil unidades habitacionais, entre negócios firmados no balcão e intermediados pelo setor público.

Conforme João Alves, a classe média deve ser a maior responsável pelo crescimento do setor habitacional, com a aquisição de imóveis de até R$ 130 mil. Em 2008, os valores de contratações habitacionais foram de R$ 279 milhões, havendo um crescimento de 80% de 2008 para 2009. Segundo a assessoria de comunicação da Caixa Econômica Federal, o setor da construção civil criou mais de 35 mil postos de trabalho no estado em 2009, com uma significativa contribuição da Caixa, responsável por aproximadamente 80% de todos os financiamentos imobiliários feitos na Paraíba.

Brasil - Em âmbito nacional, a expectativa da Caixa é alcançar os R$ 60 bilhões em financiamentos habitacionais. No primeiro trimestre, a instituição já destinou R$ 17 bilhões para o setor, recorde para o período e 112,50% superior aos R$ 8 bilhões do primeiro trimestre do ano passado.

Conforme o superintendente nacional de marketing e comunicação da Caixa, Clauir Luiz Santos, os valores podem até passar dos R$ 60 bilhões. “Foram R$ 17 bilhões em três meses, considerando que em fevereiro teve o carnaval e, nesse ritmo, vai ser bem mais que R$ 60 bilhões”. Ele destaca que o orçamento do banco estatal para o setor era de R$ 50 bilhões para este ano, depois de um resultado de R$ 47 bilhões em financiamentos em 2009.

A principal demanda para o financiamento da casa própria no primeiro trimestre veio da classe média, que correspondeu a R$ 10 bilhões dos R$ 17 bilhões concedidos. O restante se dividiu entre a baixa renda e os recursos destinados ao Minha Casa, Minha Vida. “A classe média faz avançar a construção civil no país, o que provavelmente tem a ver com o aumento da renda e o crescimento da oferta. É um fenômeno”, afirma Clauir Luiz Santos.

4.427 unidades do Minha Casa - A Caixa Econômica Federal financiou no primeiro ano do Programa Minha Casa, Minha Vida 408.674 imóveis, com investimentos da ordem de R$ 22,8 bilhões. Somente no primeiro trimestre de 2010 foram contratadas 133.146 novas moradias pelo programa. Este resultado representa o maior volume de unidades habitacionais novas financiadas dos últimos vinte anos no período. Em 2009, o PMCMV foi responsável por 45,7% do total de novas unidades habitacionais financiadas por todas as entidades integrantes do Sistema Financeiro de Habitação. Na Paraíba foram financiadas 4.427 unidades habitacionais, totalizando R$ 259.576.728,00.

O banco recebeu 813.719 propostas de 2044 construtoras desde o lançamento do programa até a primeira quinzena de abril. Desse número, 480.668 são destinadas às famílias com renda de zero a três salários mínimos, público-alvo do MCMV, representando 120% da meta estipulada. Para essas famílias, 203.997 propostas já foram contratadas. Já para as famílias com renda de três a seis salários mínimos foram 167.368 contratações de moradias.

O programa, lançado em abril de 2009 pelo governo federal, tem como objetivo implementar o Plano Nacional de Habitação, construir um milhão de moradias, aumentar o acesso das famílias de baixa renda à casa própria e gerar emprego e renda por meio do aumento do investimento na construção civil. No mês passado foi lançado o PAC2, que prevê investimentos para construção de dois milhões de novas moradias.

Thadeu Rodrigues (Correio da Paraíba)

Cartilha de Manutenção dos Consertos do Imóvel Alugado

QUEM PAGA OS CONSERTOS NO IMÓVEL LOCADO As dúvidas são muitas quando se trata de  consertos no imóvel locado  e quem deve arcar com...