Pular para o conteúdo principal

Formas de pagamento para o imóvel em construção


O consumidor deve estar atento às parcelas: quando o contrato tiver prazo superior a três anos, elas sofrerão reajustes todos os meses.

Além das cautelas relativas à regularidade e à segurança jurídica da aquisição de um imóvel, deve o comprador dedicar muita atenção para a leitura e compreensão do contrato que está firmando com o vendedor.

Nos comentários de hoje, vamos abordar especificamente a questão do preço e as formas de pagamento de imóvel em fase de construção. Vejamos.

Vamos considerar uma incorporação a preço fechado, ou seja, aquela em que o vendedor (incorporador) estabelece o preço do imóvel e se obriga a entregar a unidade, dentro de um determinado prazo e nas condições de acabamento apontadas no contrato ao comprador, por um preço previamente ajustado entre as partes. Nesta hipótese, o preço deve ser informado com clareza, em moeda corrente nacional (R$) e não pode estar vinculado, de forma alguma, a moeda estrangeira e nem a salário mínimo.

Estando previsto o pagamento parcelado, usualmente as partes acordam corrigir o saldo devedor, e as parcelas do preço, conforme a variação de índices de correção monetária, como por exemplo, IGP-M/FGV, INPC/IBGE, IPC/FIPE, INCC/FGV ou ainda, a T.R.. No mercado imobiliário, o que mais se vê nos contratos é a utilização do INCC/FGV (índice nacional do custo da construção, editado pela Fundação Getúlio Vargas); do IGP-M/FGV (índice geral de preços do mercado, também editado pela Fundação Getúlio Vargas) e da T.R. (taxa referencial).

Cabe destacar que desde a edição do Plano Real, está proibida a aplicação da correção monetária em prazo inferior a 12 (doze) meses. Assim, um contrato que tenha, por exemplo, um prazo de pagamento do preço do imóvel de 24 (vinte e quatro) meses, as doze primeiras parcelas terão o mesmo valor (fixo); na 13ª parcela aplica-se a correção monetária relativa ao período dos doze meses anteriores e “congela-se” novamente até o 24º e último mês previsto no contrato para pagamento do preço.

No entanto, há um dispositivo legal que autoriza a cobrança da correção monetária em período inferior a doze meses; ou seja, permite-se a aplicação da correção monetária mensal desde que o contrato de compra e venda de imóvel seja superior a três anos.

Portanto, na hipótese acima (contrato com prazo superior a três anos), o comprador deve atentar para o fato de que as parcelas sofrerão reajustes todos os meses, o que invariavelmente, não é o que ocorre com a maioria dos trabalhadores brasileiros.

Ainda que estejamos passando por períodos com baixos índices de inflação, podemos verificar uma inflação calculada pelo INCC na ordem de 4% a 5% ao ano, que se projetada para um período de três verificamos um aumento no valor da prestação de aproximadamente 15% (quinze por cento). Portanto, o comprador deve atentar-se para assumir uma prestação em valor onde ele tenha certa margem de “gordura” para que, se sua remuneração não acompanhar a correção monetária, ainda assim, terá ele condições de honrar o contrato e não se tornar um inadimplente.

Outra situação merece cautela: os contratos onde há pagamento do preço após a conclusão das obras (e, portanto, após a transmissão da posse do imóvel ao comprador). Nesta hipótese, sobre o valor das parcelas desse saldo devedor serão também acrescidos os juros do financiamento que, usualmente, se contratados diretamente com a incorporadora vendedora, são de 12% (doze por cento) ao ano.

A demonstrar a majoração no valor das prestações, consideremos uma aquisição onde o preço seja pago em 72 parcelas mensais, iguais e sucessivas e que, o prazo de obra seja de 36 meses. Significa dizer que, a princípio, ao final do 36º mês o imóvel estará 50% quitado.

Entretanto, vale lembrar que sobre as parcelas que se vencem a partir do 36º mês (e, portanto, após a conclusão das obras), haverá a incidência dos juros de 1% ao mês (adotando a taxa de juros usualmente praticada pelas incorporadoras).

Ora, além da variação apurada em decorrência da correção monetária (que no nosso exemplo podemos adotar, aproximadamente, 15%), haverá também, sobre o valor inicial da parcela, a incidência de mais 19% a título de juros.

Portanto, três anos após a assinatura do contrato, o valor da parcela de número 37 será, aproximadamente, 34% mais alto.

Quanto ao sistema de amortização dos juros do financiamento, o mercado imobiliário adota, na maioria das vezes, um dos seguintes sistemas, a saber: o sistema da Tabela Price (TP) – onde as parcelas possuem o mesmo valor por todo o período do financiamento, sendo que na evolução do pagamento das parcelas, tem-se que inicialmente paga-se mais juros e menos amortização do valor principal do financiamento e no final, amortiza-se mais o valor do financiamento e paga-se menos juros; e o Sistema de Amortização Constante (SAC), onde em todas as parcelas há o pagamento do mesmo valor a título de amortização e, no decorrer do tempo, o que se altera é o montante do valor pago a título de juros. No sistema SAC, o valor da parcela inicial é maior e vai declinando na medida em que se os pagamentos ocorrem.

Por fim, ressaltamos que é obrigação do incorporador informar, com clareza, o preço do imóvel, o valor das prestações (com e sem juros) e, também, de outros encargos, como por exemplo, do seguro habitacional.

Em outra oportunidade, trataremos das aquisições onde parte do preço seja paga mediante financiamento obtido junto a entidades de crédito imobiliário.

(A informação aqui prestada não tem o objetivo de responder a consultas jurídicas específicas que, por sua vez, deverão ser respondidas por profissional de confiança do interessado.)

Fonte: UOL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Imóvel na praia - conheça o que significa Laudêmio

O que é Laudêmio  É uma taxa a ser paga à União quando de uma transação com escritura definitiva de compra e venda, em terrenos de marinha. As taxas de ocupação ou foro são pagas anualmente, divididas em cotas. Os possuidores de imóveis localizados em áreas de marinha dividem-se em dois tipos: OCUPANTES (tem apenas o direito de ocupação e são a maioria) e os FOREIROS (os que têm contratos de foro e possuem mais direitos que o ocupante, pois têm também o domínio útil) - estão incluídos nessas categorias os moradores da Baixada Santista e demais cidades brasileiras. Conforme Decreto-Lei nº 9.760/1946, são terrenos de marinha em uma profundidade de 33 metros, medidos horizontalmente para a parte da terra, da posição da linha da preamar-média de 1.831:  a) Os situados no continente, na costa marítima e nas margens dos rios e lagoas, até onde se faça sentir a influência das marés;  b) Os que contornam as ilhas, situados em zonas onde se faça sentir a influência das marés. O que é Fo

ETAPAS PARA COMPRAR IMÓVEL ATRAVÉS DO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

1. Vantagens do Financiamento Bancário: O financiamento bancário é a forma mais ágil e prática para realizar o sonho da casa própria, sendo a modalidade mais procurada e preferida do brasileiro para compra do imóvel. Para se ter uma ideia, em 2018 mais de 228 mil imóveis foram financiados por essa modalidade. Dentre as vantagens, destacamos: - taxas de financiamento mais atrativas, o que torna mais agradável comprar um imóvel ao invés de pagar por um imóvel alugado, que ao final do contrato de aluguel, não será seu. - o contrato de financiamento bancário já tem o poder de escritura, ou seja, não há custos a mais.   2. O que é o imóvel ideal e como escolher: Comece primeiramente fazendo uma busca por um imóvel que lhe traga os benefícios que são importantes para você e sua família. Recomenda-se fazer um levantamento dos seguintes pontos que serão úteis na sua decisão: - Lazer...vou utilizar e ter tempo para todos os itens que o residencial oferece? - Mensalmente ha

Guia de Financiamento Imobiliário

Confira um passo a passo, para realização do financiamento imobiliário. Veja abaixo todos as formas de financiamento para que você realize o sonho da casa própria. Carta de Crédito FGTS Com essa linha de crédito da CAIXA,você usa os recursos do seu FGTS para financiar até 100% da sua casa nova e tem até 30 anos para pagar. Tudo isso com juros bem pequenos, que cabem no seu bolso. Agora é sua vez de comprar a casa que sempre quis, seja ela nova ou usada, em planta ou em construção. PARA FAZER ESTE FINANCIAMENTO VOCÊ PRECISA: Ser brasileiro Ser estrangeiro com visto permanente Ser maior de 18 anos ou emancipado Ter capacidade civil Ter idoneidade cadastral (nome limpo) Ter capacidade de pagamento Não ter um imóvel onde mora Não ser comprador de um imóvel Não ter recebido desconto pelo FGTS Sua idade e o prazo de pagamento não podem passar 80 anos  Carta de Crédito SBPE Financiando a realização do seu sonho com recursos do SBPE(Sistema Brasileiro de Poupa