Pular para o conteúdo principal

Jovem quer garantir seu futuro com imóveis: "Dura para sempre"


Há dois anos o empresário Marcos Ramos decidiu que iria economizar nos gastos pessoais para investir no mercado imobiliário de João Pessoa e assim garantir seu futuro. “Deixei, por exemplo, de viajar com meus amigos e também de trocar o carro para aplicar nos imóveis”, disse.
Marcos afirma que não investe em poupança nem em previdência privada, pois, na visão dele, o lucro seria muito pequeno. “Querendo ou não, o imóvel é uma previdência privada que vai durar para sempre, e quando quiser posso vender”, afirma.
Para o jovem investidor, não basta ter apenas a vontade de aplicar o dinheiro, é preciso tomar algumas precauções. “Foram dois meses pesquisando para escolher o melhor investimento. Tive que levar em conta a localização do edifício e a credibilidade da construtora. Também pedi ajuda ao meu irmão, que é corretor”, disse Marcos, que optou por comprar um apartamento que ainda estava na planta, pois os preços são mais baixos do que os já construídos.
Atualmente, Marcos tem 23 anos e já tem seu próprio negócio. A escolha do investimento foi um apartamento de 120 metros quadrados em Manaíra, bairro nobre de João Pessoa. Mas, como a compra foi na planta, ele vai ter que aguardar cerca de três anos para receber o imóvel. O objetivo é alugar ou vender o imóvel para pensar em novos investimentos.
Mesmo pesquisando antes de investir, Marcos sabe que corre alguns riscos. “A construtora pode quebrar, por exemplo, e aí é importante avaliar bem antes de escolher onde investir”, afirmou.

Palavra do especialista
Para o economista Celso Mangueira, Marcos está investindo bem o dinheiro. “A vida é uma questão de escolhas e ele está no caminho certo para a idade dele. Abriu mão de gastar o dinheiro com outras coisas para garantir o futuro”, afirmou. Ainda segundo o economista, os imóveis garantem estabilidade e caso o investidor passe por algum tipo de dificuldade financeira pode, em último caso, se desfazer do bem para quitar suas dívidas. “Um patrimônio é sempre um patrimônio”, concluiu o especialista.
Uma outra vantagem apontada por Celso é que o investimento, que começou de maneira despretensiosa, pode acabar virando a principal fonte de renda. “Se a pessoa tiver um ou dois imóveis pode até viver apenas do aluguel dos patrimônios”, destacou.
O economista Celso lembrou que nos últimos anos o imóvel teve uma valorização muito grande com os programas de incentivo do governo, mas que pode cair a qualquer momento, como aconteceu nos Estados Unidos. “A crise estourou em 2008, mas a desvalorização dos imóveis é sentida até hoje”, explicou.
Outro risco apontado pelo economista é que caso o investidor compre um imóvel financiado pode acabar não honrando as prestações e em um determinado momento ficar inadimplente. “Por fim pode até acabar vendendo o imóvel por um preço inferior ao que foi adquirido”, alertou o economista.
Já em relação à previdência privada, Celso Mangueira explicou que o objetivo é garantir uma tranquilidade no momento em que a pessoa se afasta da vida produtiva. “É uma questão de futuro. A previdência privada vai definir o quanto você quer em uma renda suplementar daqui a tantos anos”. Mas mesmo com a sensação de estabilidade, o economista lembrou que “todo investimento é um risco”. De acordo com ele, “não existe nada que garanta que daqui a 20 anos a empresa responsável pela previdência não estará quebrada”.
O economista aproveitou para dar algumas dicas sobre a previdência privada para Marcos. “Não sabemos se as condições que temos hoje serão garantidas logo após a nossa aposentadoria. É importante que ele avalie essa possibilidade, porque para países mais desenvolvidos essa é quase uma obrigação e está inserida na própria cultura, que no momento que precisar vai ter”.
De acordo com Celso, os jovens em geral pensam em curtíssimo prazo e consequentemente têm uma visão imediatista. “A previdência não dá retorno imediato, mas vai garantir o futuro”. Para o economista, o ideal é unir os dois interesses. “Com o dinheiro que sobrar do aluguel do imóvel, ele pode investir na previdência privada”.
Fonte: G1 Paraíba

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Imóvel na praia - conheça o que significa Laudêmio

O que é Laudêmio  É uma taxa a ser paga à União quando de uma transação com escritura definitiva de compra e venda, em terrenos de marinha. As taxas de ocupação ou foro são pagas anualmente, divididas em cotas. Os possuidores de imóveis localizados em áreas de marinha dividem-se em dois tipos: OCUPANTES (tem apenas o direito de ocupação e são a maioria) e os FOREIROS (os que têm contratos de foro e possuem mais direitos que o ocupante, pois têm também o domínio útil) - estão incluídos nessas categorias os moradores da Baixada Santista e demais cidades brasileiras. Conforme Decreto-Lei nº 9.760/1946, são terrenos de marinha em uma profundidade de 33 metros, medidos horizontalmente para a parte da terra, da posição da linha da preamar-média de 1.831:  a) Os situados no continente, na costa marítima e nas margens dos rios e lagoas, até onde se faça sentir a influência das marés;  b) Os que contornam as ilhas, situados em zonas onde se faça sentir a influência das marés. O que é Fo

Valor do m² segundo pesquisa do CRECI/ PB em João Pessoa

Ontem o CRECI - PB divulgou a Pesquisa de Demanda Imobiliária demonstrando dados do mercado imobiliário. Segundo esta pesquisa, o valor do m² praticado na capital (ref. abril/12) é o seguinte: Bairro Valor do m² (R$) Tambaú 5.810,85  Cabo Branco 5.620,19 Manaíra   4.927,35 Miramar   4293,45 Altiplano  4.242,64 Bairro dos Estados 4.153,41 Jardim Luna   4.138,61 Jardim Oceania 3.092,50 Bessa   3.819,01 Tambauzinho   3.694,39 Aeroclube 3.554,39 Jardim 13 de Maio 3.429,11 Jardim São Paulo 3.260,29 Expedicionários 3.248,84 Torre 3.142,06 Castelo Branco 3.021,93 Bancários 2.815,73 Jardim Cidade Universitária 2.329,59 Portal do Sol 2.314,94 Água Fria 2.237,04 Ernesto Geisel 2.213,22 Rangel 2.1

Guia de Financiamento Imobiliário

Confira um passo a passo, para realização do financiamento imobiliário. Veja abaixo todos as formas de financiamento para que você realize o sonho da casa própria. Carta de Crédito FGTS Com essa linha de crédito da CAIXA,você usa os recursos do seu FGTS para financiar até 100% da sua casa nova e tem até 30 anos para pagar. Tudo isso com juros bem pequenos, que cabem no seu bolso. Agora é sua vez de comprar a casa que sempre quis, seja ela nova ou usada, em planta ou em construção. PARA FAZER ESTE FINANCIAMENTO VOCÊ PRECISA: Ser brasileiro Ser estrangeiro com visto permanente Ser maior de 18 anos ou emancipado Ter capacidade civil Ter idoneidade cadastral (nome limpo) Ter capacidade de pagamento Não ter um imóvel onde mora Não ser comprador de um imóvel Não ter recebido desconto pelo FGTS Sua idade e o prazo de pagamento não podem passar 80 anos  Carta de Crédito SBPE Financiando a realização do seu sonho com recursos do SBPE(Sistema Brasileiro de Poupa