Pular para o conteúdo principal

Comprou imóvel, relaxe

Não há no mercado imobiliário brasileiro sinais de que teremos uma bolha econômica

Nos últimos meses, não tive um dia de trabalho  sem ouvir algum comentário relacionado à "bolha" no mercado de imóveis. Os pessimistas ficam garimpando motivos para alardear o apocalipse, isto é, o estouro da bolha. Seu amigo vendeu imóvel com prejuízo? Bolha! Caíram as vendas? Bolha! Unidades encalhadas? Bolha!Obras atrasadas? Bolha! Todos querem para sil o título de prenunicadores de um terrível desastre econômico.
Enquanto as notícias agitam esse imenso banho de espuma, fechamos os olhos para oportunidades ainda existentes. Há pessimismo no mercado, mas também há regiões que não tiveram nenhum boom imobiliário recente e que ainda apresentam excelentes oportunidades de valorização.
Talvez o bairro que você vive esteja com preços absurdos, mas já tentou dar uma espiada no bairro ao lado, em busca de oportunidades? Sim, aquele bairro com galpões abandonados, terrenos baldios e cortiços. Para uma região se valorizar, um bom começo é que esteja desvalorizada.
Não há no mercado imobiliário brasileiro sinais evidentes de que teremos o que se convencionou chamar de b olha no meio econômico. Bolha é um aumento de preços que se forma de maneira artificial ou irracional e que, na falta de um de seus elementos de sustentação, simplesmente estoura, sem chance de recuperação a médio prazo. Tivemos um bolha no mercado de crédito imobiliário nos EUA em 2008, quando a saturação de preços inviabilizou o pagamento das dívidas criadas para adquirir imóveis, desencadeando uma inadimplência generalizada.
Esse fenômeno acontece em uma pequena escala em algumas cidades ou bairros aqui no Brasil. Se um grande número de pessoas se endivida para adquirir imóveis e revendê-los no médio prazo, visando a anhos intensos e rápidos, em regiões em que poucas pessoas estejam comprando para morar, é bolha.
Felizmente, grande parte do aumento de preços dos imóveis nos últimos anos não se deu por causa de especulação, mas em razão do aumento da renda e das oportunidades no país. Sim, os preços subiram demais, mas isso sugere que o mercado possa estar saturado, desanimando novos investidores. Para os preços desabarem, é precisa haver alguma quebra drástica no clico, o que não está no script.
Em vez da metáfora da bolha, prefira a da bexiga. Encheu demais, e agora a pressão está diminuindo. Ficará menos atraente, mas não estourará. Comprou imóvel? Relaxa, vai tomar um banho de espuma. Talvez você demora a vender com bom lucros.

Artigo de Gustavo Cerbasi
Escreve sobre finanças pessoais, investimentos e como chegar ao primeiro bilhão. 
É consultor financeiro e autor do livro Casais Inteligentes Enriquecem Juntos .
Revista Você S/A - Edição 157 - Julho 2011


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Imóvel na praia - conheça o que significa Laudêmio

O que é Laudêmio  É uma taxa a ser paga à União quando de uma transação com escritura definitiva de compra e venda, em terrenos de marinha. As taxas de ocupação ou foro são pagas anualmente, divididas em cotas. Os possuidores de imóveis localizados em áreas de marinha dividem-se em dois tipos: OCUPANTES (tem apenas o direito de ocupação e são a maioria) e os FOREIROS (os que têm contratos de foro e possuem mais direitos que o ocupante, pois têm também o domínio útil) - estão incluídos nessas categorias os moradores da Baixada Santista e demais cidades brasileiras. Conforme Decreto-Lei nº 9.760/1946, são terrenos de marinha em uma profundidade de 33 metros, medidos horizontalmente para a parte da terra, da posição da linha da preamar-média de 1.831:  a) Os situados no continente, na costa marítima e nas margens dos rios e lagoas, até onde se faça sentir a influência das marés;  b) Os que contornam as ilhas, situados em zonas onde se faça sentir a influência das marés. O que é Fo

Valor do m² segundo pesquisa do CRECI/ PB em João Pessoa

Ontem o CRECI - PB divulgou a Pesquisa de Demanda Imobiliária demonstrando dados do mercado imobiliário. Segundo esta pesquisa, o valor do m² praticado na capital (ref. abril/12) é o seguinte: Bairro Valor do m² (R$) Tambaú 5.810,85  Cabo Branco 5.620,19 Manaíra   4.927,35 Miramar   4293,45 Altiplano  4.242,64 Bairro dos Estados 4.153,41 Jardim Luna   4.138,61 Jardim Oceania 3.092,50 Bessa   3.819,01 Tambauzinho   3.694,39 Aeroclube 3.554,39 Jardim 13 de Maio 3.429,11 Jardim São Paulo 3.260,29 Expedicionários 3.248,84 Torre 3.142,06 Castelo Branco 3.021,93 Bancários 2.815,73 Jardim Cidade Universitária 2.329,59 Portal do Sol 2.314,94 Água Fria 2.237,04 Ernesto Geisel 2.213,22 Rangel 2.1

Guia de Financiamento Imobiliário

Confira um passo a passo, para realização do financiamento imobiliário. Veja abaixo todos as formas de financiamento para que você realize o sonho da casa própria. Carta de Crédito FGTS Com essa linha de crédito da CAIXA,você usa os recursos do seu FGTS para financiar até 100% da sua casa nova e tem até 30 anos para pagar. Tudo isso com juros bem pequenos, que cabem no seu bolso. Agora é sua vez de comprar a casa que sempre quis, seja ela nova ou usada, em planta ou em construção. PARA FAZER ESTE FINANCIAMENTO VOCÊ PRECISA: Ser brasileiro Ser estrangeiro com visto permanente Ser maior de 18 anos ou emancipado Ter capacidade civil Ter idoneidade cadastral (nome limpo) Ter capacidade de pagamento Não ter um imóvel onde mora Não ser comprador de um imóvel Não ter recebido desconto pelo FGTS Sua idade e o prazo de pagamento não podem passar 80 anos  Carta de Crédito SBPE Financiando a realização do seu sonho com recursos do SBPE(Sistema Brasileiro de Poupa