Pular para o conteúdo principal

Cuidados que devem ser tomados ao alugar um imóvel para temporada

Em épocas de férias ou feriados torna-se bastante comum a locação de imóveis localizados, em especial, no litoral ou estâncias turísticas, sem no entanto, que sejam tomadas as devidas precauções. Esse tipo de locação é a que chamamos de “locação para temporada”, regulamentada na Seção 2 da lei 8245/91, que trata da locação de bens imóveis urbanos.

Conforme se verifica da leitura do artigo 48 desta lei, e que adiante transcrevemos, esse tipo de locação não se presta exclusivamente para fins de lazer. Vejamos:

“Art. 48: Considera-se locação para temporada aquela destinada à residência temporária do locatário, para prática de lazer, realização de cursos, tratamento de saúde, feitura de obras em seu imóvel, e outros fatos que decorrem tão-somente de determinado tempo, e contratada por prazo não superior a noventa dias, esteja ou não mobiliado.”

Vale destacar que o prazo limite de 90 dias é determinante para que se caracterize a locação para temporada e não uma locação pura, residencial, de imóvel urbano.

Sendo uma locação para temporada, o locador (proprietário) poderá receber antecipadamente, e de uma só vez, os aluguéis e encargos, bem como exigir qualquer uma das modalidades de garantia previstas em lei (fiança, seguro de fiança locatícia, caução e cessão fiduciária de quotas de fundos de investimento).

Tratando-se de uma locação de imóvel mobiliado, deverá constar a descrição dos móveis e utensílios que o compõem, detalhando também, o estado em que se encontram.

Se o locatário (inquilino) permanecer no imóvel após o prazo contratado, o locador poderá, no prazo subsequente de 30 dias, instaurar ação de despejo na qual o juiz concederá a liminar para desocupação no prazo de 15 dias, conforme determina o artigo 50, parágrafo 1º, inciso III da lei 8245/91.

Por fim, para evitar desconfortos e decepções, recomenda-se ao futuro locatário de imóvel para temporada, que tome algumas cautelas, a saber:

(a) sempre que possível, visitar o imóvel que será locado, de modo a não alugá-lo com base apenas em fotografias;

(b) relacionar e descrever o estado dos objetos/mobiliário que compõem o imóvel e a locação (laudo de vistoria, com relatório fotográfico);

(c) ao restituir o imóvel, solicitar do locador o termo de recebimento das chaves e quitação do estado de entrega do imóvel e dos objetos/mobiliário;

(d) noticiar, de imediato ao locador, qualquer ocorrência em relação ao imóvel, como por exemplo, algum equipamento que não esteja funcionando ou a necessidade de se contratar um profissional para algum reparo urgente (por exemplo, encanador, eletricista, etc);

(e) respeitar, quando assim estiver disposto no contato de locação, o limite de pessoas que estará ocupando o imóvel locado.
Fonte: UOL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Imóvel na praia - conheça o que significa Laudêmio

O que é Laudêmio  É uma taxa a ser paga à União quando de uma transação com escritura definitiva de compra e venda, em terrenos de marinha. As taxas de ocupação ou foro são pagas anualmente, divididas em cotas. Os possuidores de imóveis localizados em áreas de marinha dividem-se em dois tipos: OCUPANTES (tem apenas o direito de ocupação e são a maioria) e os FOREIROS (os que têm contratos de foro e possuem mais direitos que o ocupante, pois têm também o domínio útil) - estão incluídos nessas categorias os moradores da Baixada Santista e demais cidades brasileiras. Conforme Decreto-Lei nº 9.760/1946, são terrenos de marinha em uma profundidade de 33 metros, medidos horizontalmente para a parte da terra, da posição da linha da preamar-média de 1.831:  a) Os situados no continente, na costa marítima e nas margens dos rios e lagoas, até onde se faça sentir a influência das marés;  b) Os que contornam as ilhas, situados em zonas onde se faça sentir a influência das marés. O que é Fo

Valor do m² segundo pesquisa do CRECI/ PB em João Pessoa

Ontem o CRECI - PB divulgou a Pesquisa de Demanda Imobiliária demonstrando dados do mercado imobiliário. Segundo esta pesquisa, o valor do m² praticado na capital (ref. abril/12) é o seguinte: Bairro Valor do m² (R$) Tambaú 5.810,85  Cabo Branco 5.620,19 Manaíra   4.927,35 Miramar   4293,45 Altiplano  4.242,64 Bairro dos Estados 4.153,41 Jardim Luna   4.138,61 Jardim Oceania 3.092,50 Bessa   3.819,01 Tambauzinho   3.694,39 Aeroclube 3.554,39 Jardim 13 de Maio 3.429,11 Jardim São Paulo 3.260,29 Expedicionários 3.248,84 Torre 3.142,06 Castelo Branco 3.021,93 Bancários 2.815,73 Jardim Cidade Universitária 2.329,59 Portal do Sol 2.314,94 Água Fria 2.237,04 Ernesto Geisel 2.213,22 Rangel 2.1

Guia de Financiamento Imobiliário

Confira um passo a passo, para realização do financiamento imobiliário. Veja abaixo todos as formas de financiamento para que você realize o sonho da casa própria. Carta de Crédito FGTS Com essa linha de crédito da CAIXA,você usa os recursos do seu FGTS para financiar até 100% da sua casa nova e tem até 30 anos para pagar. Tudo isso com juros bem pequenos, que cabem no seu bolso. Agora é sua vez de comprar a casa que sempre quis, seja ela nova ou usada, em planta ou em construção. PARA FAZER ESTE FINANCIAMENTO VOCÊ PRECISA: Ser brasileiro Ser estrangeiro com visto permanente Ser maior de 18 anos ou emancipado Ter capacidade civil Ter idoneidade cadastral (nome limpo) Ter capacidade de pagamento Não ter um imóvel onde mora Não ser comprador de um imóvel Não ter recebido desconto pelo FGTS Sua idade e o prazo de pagamento não podem passar 80 anos  Carta de Crédito SBPE Financiando a realização do seu sonho com recursos do SBPE(Sistema Brasileiro de Poupa