Pular para o conteúdo principal

Construção vive novo milagre econômico do Brasil



Uma nova onda de investimentos públicos e privados renovou os ânimos da construção civil, que tem batido recordes de produção e emprego mês a mês. Depois de atingirem o fundo do poço na depressão financeira dos anos 80 e 90, agora as construtoras comemoram um novo "milagre econômico", a exemplo do que ocorreu na década 70.

Entre 2003 e 2008, o valor total das obras do setor teve crescimento real (descontada a inflação) de 60% - bem acima dos 26,4% do Produto Interno Bruto (PIB) no período. O forte movimento foi impulsionado especialmente pela retomada das construções para o setor público, cujo avanço foi de 69,5%, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os projetos da iniciativa privada, que respondem pela maior parte do volume total de obras (56%), cresceram 54,6%.

Toda cadeia da construção civil representa 9% do PIB total do País (só a construção civil, 5%). Embora na década de 70 essa participação tenha atingido 15%, hoje o volume total de obras é muito maior, afirma o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), Paulo Simão. "Estamos num momento muito especial. Com o avanço de novos projetos, esperamos um crescimento de 9% no PIB do setor este ano."

O executivo comenta que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), uma espécie de grife do atual governo que anda mais devagar que o necessário, ajudou a fortalecer o ressurgimento da construção civil, sufocado durante os anos 80 e 90. "Apesar das críticas, o programa foi um indutor do crescimento", afirma a consultora da FGV Projetos, Ana Maria Castelo.

Um exemplo da retomada do setor é a construtora Mendes Júnior, que comandou o milagre econômico na década de 70 e se afundou nas chamadas décadas perdidas. Segundo o vice-presidente de mercados da empresa, Sérgio Cunha Mendes, nos últimos dois anos, o faturamento da companhia quase dobrou.

O mesmo ocorreu com a Galvão. Só em 2009, as receitas da companhia avançaram 106%, de R$ 1 bilhão para algo em torno de R$ 2 bilhões. "O resultado foi influenciado especialmente pelo setor de óleo e gás, que cresceu 130% na empresa", afirma o diretor da Galvão, Guilherme Eustaquio Barbosa.

Entre as líderes do setor - Odebrecht, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez -, o movimento não poderia ser diferente. Entre 2008 e 2009, o faturamento das empresas apresentou um crescimento nominal acima de 60%, segundo ranking da revista O Empreiteiro. "Quase tudo que é investido no País é processado pela construção civil. Então, se a economia cresce, os investimentos ocorrem e o setor se desenvolve", afirma o vice-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP), Eduardo Zaidan.

Se o desempenho foi bom até agora, o que vem pela frente é ainda mais animador, avaliam os executivos das construtoras. Só os eventos esportivos (Copa do Mundo, de 2014, e Jogos Olímpicos, de 2016) e o Pré-Sal vão exigir investimentos de US$ 339 bilhões, além dos R$ 33 bilhões do trem-bala, entre Rio e São Paulo.

Com base nesses dados, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) fez uma projeção (conservadora para os números do setor) de crescimento médio anual de 7% entre 2010 e 2013. O segmento de moradias e construções industriais vai crescer 9% ao ano e a construção pesada, 6%.

As empresas, porém, preveem avançar bem mais. "Nossa previsão é manter um crescimento de 25% ao ano nos próximos 10 anos", afirma Barbosa, da Galvão. No caso da Mendes, o avanço será um pouco menor: entre 10% e 15%. Segundo eles, um dos principais desafios para manter esse ritmo da atividade está na mão de obra especializada, que hoje já é um problema.

Além disso, tradicionalmente o setor é envolvido em irregularidades em processos licitatórios, que paralisam obras. Conforme relatório do Tribunal de Contas da União, em 2009 foram fiscalizadas 211 obras públicas, que podem evitar perdas de R$ 1,3 bilhão para os cofres do Estado. Em 2008, 153 obras foram fiscalizadas, com perdas potenciais de mais de R$ 2 bilhões.

Fonte: Estado de São Paulo

Postagens mais visitadas deste blog

Valor do m² segundo pesquisa do CRECI/ PB em João Pessoa

Ontem o CRECI - PB divulgou a Pesquisa de Demanda Imobiliária demonstrando dados do mercado imobiliário. Segundo esta pesquisa, o valor do m² praticado na capital (ref. abril/12) é o seguinte: Bairro Valor do m² (R$) Tambaú 5.810,85  Cabo Branco 5.620,19 Manaíra   4.927,35 Miramar   4293,45 Altiplano  4.242,64 Bairro dos Estados 4.153,41 Jardim Luna   4.138,61 Jardim Oceania 3.092,50 Bessa   3.819,01 Tambauzinho   3.694,39 Aeroclube 3.554,39 Jardim 13 de Maio 3.429,11 Jardim São Paulo 3.260,29 Expedicionários 3.248,84 Torre 3.142,06 Castelo Branco 3.021,93 Bancários 2.815,73 Jardim Cidade Universitária 2.329,59 Portal do Sol 2.314,94 Água Fria 2.237,04 Ernesto Geisel 2.213,22 Rangel 2.1

Imóvel na praia - conheça o que significa Laudêmio

Laudêmio  É uma taxa a ser paga à União quando de uma transação com escritura definitiva de compra e venda, em terrenos de marinha. As taxas de ocupação ou foro são pagas anualmente, divididas em cotas. Os possuidores de imóveis localizados em áreas de marinha dividem-se em dois tipos: OCUPANTES (tem apenas o direito de ocupação e são a maioria) e os FOREIROS (os que têm contratos de foro e possuem mais direitos que o ocupante, pois têm também o domínio útil) - estão incluídos nessas categorias os moradores da Baixada Santista e demais cidades brasileiras. Conforme Decreto-Lei nº 9.760/1946, são terrenos de marinha em uma profundidade de 33 metros, medidos horizontalmente para a parte da terra, da posição da linha da preamar-média de 1.831:  a) Os situados no continente, na costa marítima e nas margens dos rios e lagoas, até onde se faça sentir a influência das marés;  b) Os que contornam as ilhas, situados em zonas onde se faça sentir a influência das marés. O que é Foro? O f

Guia de Financiamento Imobiliário

Confira um passo a passo, para realização do financiamento imobiliário. Veja abaixo todos as formas de financiamento para que você realize o sonho da casa própria. Carta de Crédito FGTS Com essa linha de crédito da CAIXA,você usa os recursos do seu FGTS para financiar até 100% da sua casa nova e tem até 30 anos para pagar. Tudo isso com juros bem pequenos, que cabem no seu bolso. Agora é sua vez de comprar a casa que sempre quis, seja ela nova ou usada, em planta ou em construção. PARA FAZER ESTE FINANCIAMENTO VOCÊ PRECISA: Ser brasileiro Ser estrangeiro com visto permanente Ser maior de 18 anos ou emancipado Ter capacidade civil Ter idoneidade cadastral (nome limpo) Ter capacidade de pagamento Não ter um imóvel onde mora Não ser comprador de um imóvel Não ter recebido desconto pelo FGTS Sua idade e o prazo de pagamento não podem passar 80 anos  Carta de Crédito SBPE Financiando a realização do seu sonho com recursos do SBPE(Sistema Brasileiro de Poupa